William Bonner, 58, e Jon Bon Jovi, 60, já podem dizer que têm algo em comum. O apresentador do Jornal Nacional (Globo) e o roqueiro foram homenageados durante um evento da Voice Foundation, na Filadélfia, nos Estados Unidos.

Os dois até interagiram e posaram juntos para fotos nos bastidores da premiação, à que o brasileiro compareceu acompanhado pela mulher, a fisioterapeuta Natasha Dantas. Também estiveram no evento funcionários do escritório da TV Globo em Nova York, como os repórteres Carolina Cimenti e Felippe Coaglio.

A premiação destaca profissionais que fazem uso da voz como instrumento de trabalho. Criada em 1969, a Voice Foundation se dedica à pesquisa e difusão de conhecimento sobre a saúde vocal. Desde 1973, ela organiza uma gala na qual prestigia alguns profissionais —Bonner foi o primeiro brasileiro a ser lembrado.

“Expresso meu respeito e meus sinceros aplausos para todos vocês que produzem conhecimento científico para educar, melhorar e curar vozes”, agradeceu o jornalista em seu discurso. “Esse é um momento em que a minha voz recebe uma homenagem, e eu divido essa homenagem com as vozes –que tentam calar– de todos os jornalistas, no Brasil e no mundo.”

Sobre o The Voice Foundation

A voz ou as vozes transportam muito mais do que palavras. Elas carregam emoções. Para o jornalismo, ela é um instrumento a serviço da informação. Para a música, a serviço da arte.

Mas até pouco tempo, não existia uma ciência sobre a voz. A The Voice Foundation mudou isso em 1969. Foi a primeira organização do mundo 100% dedicada à pesquisa, medicina, ciência e educação sobre a voz.

Mas também não adiantava desenvolver todo um conhecimento sobre a saúde da voz se ele ficasse restrito aos consultórios médicos. Por isso, todos os anos, desde 1973, a fundação organiza um baile de gala e homenageia profissionais que dependem da voz.

O presidente da fundação, Robert Sataloff, lembra que o primeiro premiado foi o jornalista Walter Cronkite.

Cronkite foi o âncora de telejornal americano de maior sucesso. Foi ele quem desenvolveu o jornal televisivo como conhecemos hoje. E ficou famoso por ser chamado de “o homem de maior credibilidade da América” nos anos 1960 e 1970.

Este ano, além do editor-chefe e âncora do Jornal Nacional, o primeiro brasileiro a ser premiado pela fundação, William Bonner, os homenageados foram o cantor barítono da Metropolitan Opera, Vladimir Chernov, e o cantor pop Jon Bon Jovi.

Fonte: Folha